08/08/2020

 

A FENASPE, por meio de seu Presidente Mário Eugênio da Silva, solicita às associações filiadas que convoquem todos os associados a participarem das assembleias realizadas pelos sindicatos da categoria, assim como apoia as iniciativas de barrar as propostas da Petrobrás que trazem prejuízos aos aposentados.


Foram iniciadas as negociações da campanha reivindicatória entre as Federações dos petroleiros (FNP e FUP) e a atual direção da Petrobrás. Nos últimos meses, a empresa tem aproveitado a pandemia para acelerar a venda dos ativos, como a Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia. Além da privatização, a direção tem apresentado propostas que prejudicam trabalhadores ativos e aposentados como a criação de uma instituição privada para gerir a Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS).


Outras medidas, tomadas pela empresa, como a implementação do boleto bancário para o pagamento das mensalidades do plano de saúde, revertida na Justiça pelos sindicatos, e a cobrança do resíduo do PED-2015, suspenso por liminares, atingem diretamente os aposentados e as pensionistas, muitos deles associados à FENASPE.


A diretoria da Petrobrás comandada pelo Presidente Castello Branco, além de insistir em mudar a gestão da AMS, apresentou a proposta de reajustar a nova tabela do Grande Risco que vai onerar ainda mais os aposentados. Segundo cálculos da FUP, para os beneficiários que recebem menos que cinco mil reais e idade acima de 59 anos, o reajuste chega a 100%.
Pela proposta da empresa, a coparticipação da tabela do Grande Risco passará a ser 60% x 40% e não mais 70% x 30% como é na atualidade (70% pago pela Petrobrás e subsidiárias e 30% os beneficiários). Até 2022, a Petrobrás busca reduzir a sua coparticipação para 50%.


Por tudo isso, é necessário ir à luta para barrar essa proposta da empresa, pois se ela passar, em pouco tempo mais, os aposentados e as pensionistas não terão condições de arcar com as despesas do plano de saúde, sendo obrigados a saírem da AMS. A maioria já se encontra em situação financeira difícil por conta do pagamento do equacionamento dos Planos Petros (PPSP-R e PPSP-NR).


Na campanha reivindicatória, a empresa propõe reajuste 0 (zero) para os ativos. Diante dos ataques aos direitos da classe ativa e dos aposentados, a FENASPE pede às afiliadas que convoquem os associados para participarem ativamente das assembleias e das atividades propostas pelos sindicatos, que por conta da pandemia não serão presenciais e sim pela internet. Na Bahia, é importante acompanhar e dar apoio ao Sindipetro-BA.


Mais uma vez, aposentados e ativos estarão unidos em defesa dos direitos duramente conquistados ao longo dos anos, como é o plano de saúde, que agora está sendo ameaçado pela direção da Petrobrás, que busca tirar os aposentados da AMS. Somente, a união dos petroleiros e petroleiras de todo o Brasil garantirá a manutenção das nossas conquistas e direitos.
Portanto, acompanhe, sugira, mostre sua indignação nas assembleias e atividades convocadas para ,assim, defender nossos direitos. A FENASPE também vai acompanhar a programação das negociações e continuará informando às afiliadas.

MARIO EUGENIO DA SILVA - Presidente da Fenaspe - ASTAPE-BA

 

Acessar arquivo

 

NOTÍCIAS

ANTERIORES