06/09/2020

Convocado pela FENASPE, o Fórum Baiano em Defesa da Petrobrás e da Petros, que reúne entidades da categoria petroleira na Bahia (ASTAPE, AEPET-BA, ABRASPET e clubes dos empregados da PETROBRÁS), reuniu-se, no dia 26/08 para debater a última contraproposta apresentada pela PETROBRAS para o ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) com vigência de dois anos (2020-2022). O Fórum decidiu se manifestar contrário à contraproposta, defendendo sua rejeição. 
A FENASPE, representando as entidades pertencentes ao Fórum, baseada em evidências e cálculos, percebe que a proposta da empresa é absolutamente nociva para toda a categoria petroleira, principalmente, para os aposentados e pensionistas que ganham menos e com idade mais avançada.
Por isso, a FENASPE recomenda a todas as associações filiadas que orientem os associados para que, nas assembleias sindicais, votem contra a contraproposta da Petrobrás para o ACT. Pede, ainda, a cada um dos aposentados e pensionistas que participem ativamente das assembleias convocadas pelo SINDIPETRO-BA e, se não houver avanços para os trabalhadores, votem contra todas as indicações favoráveis à atual direção da PETROBRÁS.
Neste momento de luta em defesa da PETROBRÁS, como empresa indutora do desenvolvimento socioeconômico e cultural de todas as regiões do Brasil, e dos direitos dos aposentados, a ter uma aposentadoria digna a que fez jus por uma vida inteira dedicada à PETROBRÁS, não devemos aceitar a contraproposta de ACT apresentada pela empresa.
Os ataques da empresa ao fundo de pensão PETROS e à AMS determinam a urgência de todas as entidades que representam os trabalhadores e trabalhadoras ativos, aposentados e pensionistas da PETROBRÁS em rejeitarem a contraproposta do ACT porque sabemos que ela visa facilitar a privatização da PETROBRÁS. Na AMS, a criação de uma associação vai reduzir a participação e responsabilidade da PETROBRÁS como patrocinadora, pois com uma administração independente, a empresa destinará um orçamento insuficiente, piorando a qualidade do plano de saúde com graves consequências para os beneficiários.
O aumento absurdo da AMS, nos próximos anos, provocará a exclusão de milhares de aposentados e pensionistas que não terão como bancar os elevados custos da assistência médica, perdendo o maior direito da categoria, que nunca foi gratuito, mas duramente conquistado.
Além disso, a manutenção do custeio 30% x 70% é necessária para garantir o acesso à saúde de milhares de trabalhadores e trabalhadoras, principalmente neste momento interminável de pandemia e isolamento social e mais ainda, para os aposentados e pensionistas, que no auge da velhice, precisam de uma assistência médica de qualidade e a custos compatíveis com sua renda.
Precisamos manter a unidade das entidades que, efetivamente, defendem os direitos de seus associados e conhecem os impactos para a categoria se a contraproposta da empresa, que onera absurdamente a AMS, for aprovada. Assim como nos manifestamos contrários ao PP-3 que a empresa quer impor aos participantes e assistidos.
Diga não! Participe das assembleias de suas entidades sindicais, votem a fim de impedir que tirem seu direito à AMS.

VOCÊS TÊM DIREITO A UMA VELHICE COM RESPEITO, SAÚDE E DIGNIDADE


Mário Eugênio da Silva - Presidente da FENASPE

NOTÍCIAS

ANTERIORES